Retrospectiva 2021! Ou você pensou que íamos fugir disso? Certamente, não! Esta é a melhor maneira de dizer “adeus, ano velho; feliz ano novo”. 

O primeiro post do blog da MpontoM foi publicado em 08 de janeiro de 2021. De lá para cá, foram dezenas de textos. Neles estampamos nossa visão do varejo, que abraça a tecnologia e aposta numa boa experiência de compra como fator essencial para quem pretende fazer parte do futuro do setor. Naturalmente, são essas ideias que também norteiam nossos produtos – Margem, Offerta e Oppinar. Com eles, a MpontoM leva transformação digital para a sua empresa. Em contrapartida, você ganha precisão para conduzir seu negócio numa escalada de performance.

Este ano, o blog foi um meio de estender nosso atendimento. Com ele, procuramos trazer informações e te inspirar pelo caminho. Hoje, nossa retrospectiva 2021 vai olhar para trás a fim de ajudar a construir o que vem pela frente.

Sempre de olho no futuro

Começamos nossa história na blogosfera com as tendências que os especialistas apontavam para o ano que se iniciava. Foram dois posts (post 1post 2) e, recapitulando agora, muito do que falamos neles voltou a ser pauta em nosso blog. Depois, ao longo do ano, reciclamos o tema, aprofundando alguns aspectos e trazendo atualizações.

Concluímos o 2021 da mesma forma que começamos: falando de tendências – dessa vez, dividindo as perspectivas para 2022 em três posts. Primeiro, as que têm relação direta com os clientes. Em seguida, aquelas que apontam para uma ampliação dos horizontes das vendas. Por fim, as que indicam usos mais estratégicos dos meios digitais.

Assim como fizemos ao longo deste ano, em 2022, retomaremos alguns dos temas destes três posts, seja para aprofundá-los ou registrar mudanças. Afinal, as tendências estão sempre em movimento, ainda mais numa fase tão inusitada como a que vivemos. Lembra que até as características das gerações estão mudando?

Omni, digital, físico

Uma tendência que não mudou no último ano foi a aproximação dos mundos on e offline. Falamos disso inúmeras vezes, mas destacamos, aqui, três posts que abordam o tema a partir de três termos. Primeiramente, o mais famoso (e bem recorrente em nosso blog): omnichannel. O segundo é phygital. De fato, é comum que estes conceitos sejam confundidos, mas é fácil entender a diferença. Enquanto o phygital trata da fusão completa entre o físico e o digital, o omnichannel visa o fim do descompasso que pode afetar o atendimento quando tal fusão ainda não está concretizada. Por fim, o terceiro termo, halo effect, que explica a influência positiva que as lojas físicas têm sobre as vendas online.

Tecnologias imersivas aplicadas às vendas

Enquanto oscilamos entre o phygital e a necessidade de desenvolver estratégias omnichannel, precisamos de apoio para construir experiências de compra positivas. Nesse sentido, algumas tecnologias têm se mostrado essenciais. A realidade aumentada, por exemplo, se tornou uma grande parceira do varejo no aprimoramento do e-commerce. Ela vem ajudando o setor a aproximar a experiência de compra digital da que se dá em lojas físicas. É o mesmo fim que o setor busca com a realidade virtual. Neste caso, no entanto, a adesão é bem menor, pois tanto o acesso como o desenvolvimento exigem investimentos bem mais altos. 

Cobertura de eventos

Para ficar a par de tantas novidades, nossa equipe cobriu importantes eventos. Começamos com o show de criatividade e inovação do SXSW, em abril. Em junho, uma retrospectiva da primeira parte da conferência da NRF, uma das mais prestigiadas da indústria varejista internacional. Logo em seguida, a segunda parte também entrou em nossa pauta.

Para o cliente, pelo cliente

Nesses eventos, aliás, o cliente sempre é exaltado como figura central de iniciativas bem sucedidas. Em síntese, o que constatamos é que, independente do tipo de produto vendido, o varejo será cada vez mais centrado no consumidor. Com isso, aprimorar sua jornada assume a dianteira entre os objetivos empresariais, à frente de vendas e retorno a acionistas. Temos ecoado esta ideia de tal forma que, se fôssemos resumir nossa retrospectiva 2021 em uma palavra, seria CLIENTE. Com efeito, trata-se de uma visão que nos inspira há tempos. Não à toa, desenvolvemos o Oppinar, cujo foco é a satisfação do cliente. Aliás, tivemos dois posts (12) com dicas para usar esta ferramenta.

Além disso, esclarecemos o que está por trás de nossa solução – o NPS – e explicamos seu cálculo. Mesmo quem ainda não usa o Oppinar, pode se beneficiar destas leituras. Para coroar o assunto, contamos como a Apple lida com a métrica. Tivemos, ainda, posts sobre coleta de dados e a importância da opinião do cliente.

Eficiência Operacional 

Já que falamos do Oppinar, vamos relembrar os posts sobre outra das soluções da MpontoM, o Margem. Esta ferramenta mede alguns indicadores fundamentais para a gestão do varejo. Por isso, criamos uma série chamada Eficiência Operacional com o Margem, que já conta com três textos. O primeiro trata dos KPIs relacionados a produtos, depois a pessoas e, por fim, a vendas. Vale dizer que mesmo quem não usa nossas soluções pode aproveitar este conteúdo.

Mas…

Se adotar uma ferramenta de gestão estiver em seus planos, vale ler nossas dicas para identificar a hora certa para isso. A fim de completar o processo, fizemos uma checklist que pode orientar sua decisão. Quando você experimentar as vantagens do uso de dados no varejo, vai entender o valor e a segurança que ferramentas como estas trazem para o negócio. 

Gestão analítica

Lendo nosso blog, vemos tantas variáveis envolvidas na gestão do varejo… Lojas físicas, aplicativos de compras, inúmeros KPIs etc. Em paralelo, a velocidade das mudanças impõe uma nova abordagem no planejamento, com planos de curto prazo sustentando uma visão de longo prazo. A fim de conquistar rapidez para perceber e agir, tornou-se indispensável monitorar as operações detalhadamente e em tempo real. Os dados daí decorrentes se refletem em precisão no processo decisório. Ao lado de todo o pragmatismo que eles trazem, a escuta ativa e a diversidade entram em cena. As equipes devem espelhar o público, enquanto os radares escutam cada sinal cuidadosamente. Nesse percurso, valores e propósitos são essenciais para manter a rota e firmar a identidade da empresa.

Ufa… quanto assunto. Ainda falamos de vários outros temas, sempre do ponto de vista do varejo. Temos posts sobre  sustentabilidade, design thinking, C2B, LGPD (por sinal, uma grande aliada do setor) e por aí vai. 
Agora, a gente se despede de mais um ano. 2021 fica para trás, mas os aprendizados que ele deixou vão ajudar a construir 2022. Boas Festas!