A coleta de dados sempre existiu no mundo dos negócios. A princípio, era informal, mera observação que empresários faziam sobre o fluxo dos negócios e o comportamento dos clientes. Com o tempo, isso foi se estruturando. Assim, de um lado, surgiram as pesquisas de opinião; do outro, os relatórios internos ganharam formatações específicas. Empreendedores do passado aprenderam, na prática, a importância de reunir e estruturar fatos a fim de tirar proveito deles na hora de tomar uma decisão.

Desde que as pessoas começaram a passar boa parte do tempo navegando em sites e redes sociais, iniciou-se um novo capítulo na coleta de dados. Cada clique armazenado se transformou numa peça de um grande quebra-cabeças. A palavra “dados” passou a compor uma série de conceitos que começaram a povoar o mundo dos negócios. Ciência de dados, análise de dados, engenharia de dados foram alguns desses termos.

Ciência de Dados

O universo dos dados é muito, muito amplo. Ele é abarcado pela Ciência de Dados, que, por sua vez, envolve outras disciplinas, como estatística, computação e matemática. Embora esse campo de estudo exista há mais de trinta anos, ganhou muito espaço desde que o uso constante e crescente da internet deu origem a uma quantidade absurda de dados, aquilo que chamamos de Big Data. Vários outros ramos têm raiz nessa ciência, como machine learning e business analytics. 

“Sem dados você é apenas outra pessoa com uma opinião”
Willian Edwards Deming, estatístico, palestrante e autor

Coleta de dados nos negócios

Na gestão de negócios, a coleta de dados oferece elementos para diferentes tipos de análise, que se dividem em dois sistemas: business intelligence (BI) e business analytics (BA). Ambos têm, por princípio, gerar insights para o negócio. Eles se diferem, no entanto, pela técnica aplicada tanto na coleta de dados como no tratamento.

Posto que é uma ramificação da Ciência de Dados, a aplicação de BA conta com o suporte de uma série de outras disciplinas, a fim buscar significados e percepções a partir de uma enorme quantidade de dados, em grande parte, complexos. Interdisciplinaridade, quantidade e complexidade permitem análises preditivas e prescritivas, ou seja, capazes de promover insights voltados para o futuro.  

BI, em contrapartida, lida com uma quantidade restrita de dados simples, geralmente analisados a partir de uma variável – por exemplo, tíquete médio por loja, ou por vendedor, ou por data etc. Sua matéria prima vem, sobretudo, da coleta de dados de iniciativa própria, seja a partir de uma pesquisa de opinião ou das informações de estoque de produtos, por exemplo. Assim, monitora o momento do negócio, mesmo que considerando dados do seu histórico, gerando análises descritivas e de diagnósticos

Soluções MpontoM para coleta de dado

Tanto BI como BA visam a geração de insights para o negócio, ainda que cubram necessidades diferentes. Enquanto o Business Intelligence interpreta o passado para criar possibilidades para o futuro, o Business Analytics analisa dados antigos a fim de observar tendências e padrões que contribuem com a previsão de cenários futuros.
A MpontoM oferece soluções para atender o sistema de Business Intelligence de uma empresa, principalmente para aquelas que atuam no varejo. Com elas é possível fazer análises descritivas e diagnósticas através de pesquisas de satisfação (Oppinar) e do acompanhamento, em tempo real, da performance vendas (Margem) e de equipes (Prazzo).

4 respostas

Os comentários estão desabilitados.